Como fazer a equiparação salarial e evitar problemas de Remuneração

Como fazer a equiparação salarial e evitar problemas de Remuneração?

Promover uma gestão de remuneração que atenda os interesses da empresa e faça com que os colaboradores se sintam satisfeitos e valorizados é o objetivo de todo profissional da área. Mas sabemos que equilibrar essa balança não é fácil, ainda mais em tempos de evoluções aceleradas no mercado.

A tabela salarial é um instrumento de grande valia, mas exige cautela, principalmente na hora de atualizá-la. Para que não ocorram problemas e, principalmente, para que os funcionários não saiam com a sensação de injustiça, reunimos 3 pontos de atenção. Confira logo abaixo!

1.Atualização da tabela: antes ou depois do acordo coletivo?

Já falamos sobre isso aqui, mas sempre vale a pena relembrar: as tabelas NÃO devem ser atualizadas com os índices de acordos coletivos. Nem antes e nem depois. Os acordos devem se refletir apenas em salários individuais.

O recomendado é aplicar o acordo coletivo nos salários dos colaboradores apenas nas datas-base de cada categoria. A atualização da tabela como um todo vem depois de uma pesquisa salarial – que preferencialmente deve ocorrer mais de uma vez no ano.

Como uma atualização completa da tabela exige calma e investigação, é essencial fazer uma análise de todos os cargos e conferir, em detalhes, as novas movimentações da pesquisa salarial. Isso significa que – sim! – os colaboradores ficarão de fora da tabela durante um período de tempo, o que não é um problema.

  1. Equiparação salarial após o acordo coletivo: sim ou não?

Se os acordos coletivos são aplicados individualmente, como explicar legalmente a diferença salarial entre um colaborador que entrou depois do acordo e aquele que já estava na empresa? É preciso fazer uma equiparação salarial? Para responder a essa pergunta recorrente na área de Remuneração, vale a pena consultar o artigo 461 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que aborda a equiparação salarial. 

Nele, está descrito que “sendo idêntica a função, a todo trabalho de igual valor prestado ao mesmo empregador, na mesma localidade, corresponderá igual salário, sem distinção de sexo, nacionalidade ou idade”.  O objetivo da normativa é justamente evitar qualquer tipo de discriminação no momento de remunerar.

Porém, há um detalhe que deve ser levado em consideração: “§ 1º Trabalho de igual valor, para os fins deste capítulo, será o que for feito com igual produtividade e com a mesma perfeição técnica…”. Aqui temos um ponto que ajuda a justificar possíveis variações salariais. 

Se um colaborador recém-chegado ainda está em processo de aprendizagem, muito provavelmente não se equipara tecnicamente a quem está no cargo há mais tempo. Obviamente que essa comprovação só é possível diante de um indicador, como uma avaliação de desempenho.

Uma política de análise de desempenho formal junto a um alinhamento com o colaborador sobre o que se espera dele em cada etapa (seja step ou faixa) é fundamental para justificar as diferenças salariais entre dois funcionários de mesmo cargo.

Seguindo com a lei trabalhista: “§ 2º Os dispositivos deste artigo não prevalecerão quando o empregador tiver pessoal organizado em quadro de carreira…”. Quadro de carreira é o que chamamos de Plano de Cargos e Carreiras. Se a empresa tiver o seu plano bem-estruturado e alinhado, com informações precisas sobre aquilo que é esperado de cada colaborador, também é possível usar esse ponto como argumento.

Como pode ver, há elementos legais que justificam algumas diferenças salariais: sempre que a empresa cumprir com um Plano de Cargos e Carreiras e respeitar as descrições. Tem que estar em prática – não apenas no papel.

  1. Faixas vs steps: o que pode provocar mais injustiça?

Quando a tabela salarial está agrupada por steps, fica previamente estabelecido quanto o colaborador irá receber caso ele se destaque em sua avaliação de desempenho. Se o step inicial de um cargo for em 80% da mediana e o segundo step em 90%, por exemplo, o colaborador tem 10% de evolução salarial após uma boa avaliação de desempenho.

Já quando falamos em tabelas por faixas, há um mínimo, o ponto central e um máximo. Isso dá ao gestor a possibilidade de aplicar diferentes reajustes de acordo com a avaliação individual. O colaborador pode ir “bem” ou “muito bem” e receber um reajuste de 5% ou 10%, por exemplo. O gestor tem mais poder e, consequentemente, mais responsabilidades.

Então não podemos negar que, ao trabalhar com faixas salariais, o risco de injustiça acaba sendo maior. Mas há elementos para que isso não aconteça. A sugestão é contar com um comitê de remuneração. Ele terá o papel de equilibrar a empresa e olhar para as evoluções sem diferenciações. Esse comitê precisa ser formado por um grupo multidisciplinar.

Em grandes empresas, fica complexo analisar todas as avaliações de desempenho para manter a flexibilidade de uma tabela por faixas. Por isso, muitas optam por steps fixos. Nesse caso, há avaliações menos rigorosas e reajustes pré-estabelecidos. O colaborador avança para o próximo step quase que automaticamente.Esses são alguns dos pontos de atenção na hora de olhar para sua tabela salarial. Se você tem alguma dúvida, envie para a gente! Todas as semanas o ConsultAqui traz respostas pertinentes sobre o universo da Remuneração.

2 respostas

  1. Gosta de saber se tem limite de diferença entre os steps na minha que é uma autarquia, nas funções técnico Júnior, pleno e Sênior a diferença de salário do Júnior para o pleno e de mais de 93% e do pleno para o sênior apenas 25% ouvi dizer que o máximo de diferença seria 50% entre os steps e isso mesmo?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carreira Muller

Somos uma consultoria especialista em gestão de remuneração que, há  3 décadas, trabalha para desenvolver pessoas e negócios.

Acompanhe-nos

Confira também outros artigos

Separamos mais algumas leituras relacionadas com a publicação acima para você
se aprofundar ainda mais nos conteúdos de remuneração.

Acesso gratuito ao módulo Free da ConsultaSalarial®:

Declaro ter ciência e aceitar as condições para navegar no módulo gratuito oferecido pela Carreira Muller:

1 – Para solicitar o acesso é necessário que sejam enviados os dados requisitados no questionário de coleta. As informações recebidas serão analisadas, por parte da Carreira Muller, e o envio destas não acarretará uma liberação automática do acesso.

2 – O prazo de retorno com a confirmação ou declínio do acesso leva até 2 dias úteis.

3 – A forma de comunicação utilizada pela Carreira Muller para informar tudo o que é necessário se faz pelo endereço de e-mail informado no momento do preenchimento do formulário. Portanto, aceitando este termo você também concorda com o recebimento de nossos e-mails. Caso deseje parar de recebê-los há um mecanismo à disposição em cada e-mail disparado.

4 – Não há custo algum para que as empresas selecionadas usufruam desse módulo Free.

5 – Todo o acesso é configurado com base na Razão Social informada pelo solicitante no questionário de coleta. Portanto, se o solicitante deixar a empresa (CNPJ) base cadastrada, o acesso também é desativado.

6 – O informante dos dados se responsabiliza pela veracidade das informações disponibilizadas e pode, a qualquer momento, requisitar a baixa de seu cadastro com a consequente eliminação de todos os dados por ele informados.

7 – Todo o acesso é feito pela nossa plataforma online (www.carreira.com.br) por meio de um login e senha. O login será gerado com base no e-mail corporativo informado nos dados, considerando o tópico 1, e a senha será configurada, pelo próprio solicitante, no primeiro acesso.

8 – O solicitante declara reconhecer que a Carreira Muller é titular exclusiva dos direitos de propriedade intelectual de todo o conteúdo publicado na plataforma. Está ciente que não poderá modificar, transferir, sublicenciar, vender, ou de qualquer forma, colocar à disposição de terceiros, os materiais supra referidos, nem os serviços prestados pela Carreira Muller, a não ser que haja autorização prévia e formal da Carreira Muller, sob pena de responder pelos danos decorrentes dessa conduta.

9 – Considerando a modalidade de oferta desse serviço, a Carreira se resguarda no direito de modificar ou suspender total ou parcialmente tais serviços a qualquer momento, independentemente de notificação prévia.

Solicite seu Diagnóstico

Preencha os campos abaixo para solicitar seu diagnóstico

Fique tranquilo que seus dados estão seguros conforme nossa política de privacidade, frente a Lei de Proteção de dados.

Solicite uma demonstração

Preencha os campos abaixo para solicitar sua demonstração

Fique tranquilo que seus dados estão seguros conforme nossa política de privacidade, frente a Lei de Proteção de dados.

Fale com um consultor

Será um grande prazer retornar sua solicitação!

Fique tranquilo que seus dados estão seguros conforme nossa política de privacidade, frente a Lei de Proteção de dados.

Acesse nossas plataformas

Acesse nossa área de cursos

Acesse agora o Astrobee