Como fazer a gestão de Remuneração para o público operacional?

Quando falamos sobre Remuneração do público operacional, sempre surgem muitas dúvidas. Afinal, tem  questões sindicais que precisam ser levadas em consideração, é comum que profissionais extrapolem o teto, recebendo mais do que efetivamente entregam, há dificuldade de medir o desempenho e ainda eventuais riscos de passivo trabalhista.

Como, então, fazer a gestão desse público da maneira mais adequada possível?

Não existe fórmula mágica, uma regra única que valha para todo mundo. Mas, neste conteúdo, o Gerente de Remuneração da Carreira Muller, João Resch, traz algumas dicas e recomendações que podem ajudar na sua estratégia. Vamos às principais dúvidas?

Faixas ou steps: o que é recomendado para o público operacional?

A principal diferença entre faixas salariais e steps está na elasticidade. Na faixa salarial, são estabelecidos valores de referência para cada cargo ou posição — um mínimo e um máximo. Dentro dessa margem, o gestor pode negociar o percentual de aumento para cada colaborador. Ou seja, é um aumento que ocorre com mais flexibilidade, desde que sejam respeitados os limites. Não há percentual fixo e cada colaborador pode receber um reajuste diferente.

Já em steps, os “degraus”, há percentuais fixos pré-estabelecidos pela empresa. Além da medida central (100%), os outros steps variam conforme a empresa. Em algumas, a gestão é mais tradicional (80, 90, 110, 120); em outras, a banda é mais larga (60, 70, 80, 90, 110 e 120).

Usando como exemplo a gestão tradicional, significa que o colaborador entra no 80% e, após passar por ciclos de avaliação, vai caminhando progressivamente por 90, 100, 110, até chegar nos 120%. Os valores são fixos e todos os colaboradores percorrem os mesmos steps.

Não há certo ou errado.

No entanto, João lembra que há mais suscetibilidade de passivo trabalhista com o público operacional, principalmente relacionado aos pedidos de equiparação salarial. Então, se há critérios fixos e objetivos, esse risco diminui. Os steps trazem mais segurança jurídica.

A empresa fica mais protegida quando tem steps bem definidos, com avaliações de desempenho objetivas (que sinalizam quais processos o colaborador precisa aprender e por quais treinamentos ele precisa passar para progredir, por exemplo) e quando faz a comunicação adequada desses critérios para seus profissionais.

“Mas, e se eu quiser dar flexibilidade aos meus gestores?”

Bom, se a empresa preza pela autonomia dos seus gestores, é possível ter faixas salariais para o público operacional. Para mitigar o risco de passivo trabalhista, a recomendação é que os critérios para reajuste sejam bem estabelecidos e bem comunicados. 

“Especialmente para empresas grandes e com histórico de processo trabalhista, com um jurídico mais conservador e um relacionamento mais complicado com o sindicato, recomendamos, na maioria dos casos, atuar com steps”, diz João.

Como reajustar o salário do público operacional? 

Os principais critérios para reajuste de salário são mérito e tempo. 

Quando há uma política de mérito, o colaborador consegue avançar dentro do seu próprio cargo SE tiver uma boa avaliação de desempenho; quando não há, todos os profissionais do cargo têm o MESMO salário e a cada período de tempo (6 ou 12 meses, geralmente) há um percentual de reajuste para TODOS. Nesse último caso, o desempenho só importa para as promoções, não para mexer no salário horizontalmente.

No caso do público operacional, a preferência dos sindicatos é pelo reajuste com base no tempo. Mas entendemos que esses aumentos progressivos tendem a tornar o processo caro, o que pode ser um problema para as empresas no longo prazo.

“Como as pessoas vão ficando caras, chega um momento em que fica insustentável para a organização. Então, de tempos em tempos, acontece aquela redução grande de quadro. Sabemos que o sindicato tem boa intenção na proposta, mas não costuma dar certo. O ideal é ter um ciclo de mérito para os reajustes”, diz João.

Vale lembrar, no entanto, que no caso de steps fixos não há muita margem de variação e tem que ser observada a equiparação salarial. Se alguns colaboradores ficarem para trás, a empresa tem que ter um plano de ação para que esses profissionais cheguem em 24 meses no salário ideal do cargo. Junto ao ciclo de mérito, o ideal é ter um Plano de Cargos e Salários — e fazer a comunicação para que todos entendam como funciona.

Agora, se na estrutura está tudo equiparado, todos com o mesmo cargo e salário, não se esqueça que todos também têm que ter as mesmas atribuições. Se não, pode incidir em desvio de função. E, muitas vezes, a teoria do RH infelizmente não é a prática da operação.

O que fazer com o colaborador que alcançou a faixa final do salário?

Independentemente de ser faixa ou step, reajuste por mérito ou tempo, sempre há um limite salarial estabelecido. E é muito comum que colaboradores de empresas sólidas, com baixo turnover, extrapolem esse teto: a empresa não consegue gerar oportunidades suficientes para que todos sejam promovidos. 

Quando isso acontece, o ideal é olhar para cada caso na sua individualidade. Imagine um operador de nível 1 que está na empresa há cinco anos e chegou ao limite salarial de R$ 2.000,00. Com um novo acordo coletivo, acaba extrapolando esse teto. A primeira pergunta a se fazer ao gestor é: “por que esse profissional está há tanto tempo no mesmo cargo e ainda não virou operador 2?”.

De duas, uma: ele está caro para o que está executando ou poderia ter uma atividade mais compatível com seu salário. Nossa orientação é buscar alternativas como um Plano de Desenvolvimento Interno (PDI), para que esse profissional possa se desenvolver, ou até mesmo gerar promoções em outras áreas — mecânico, eletricista, técnico de manutenção, analista ou inspetor de qualidade, etc. Quando a organização cria mecanismos de treinamento e incentiva os profissionais a ocuparem posições em outras áreas, consegue ter menos casos de profissionais acima do teto da tabela. 

Agora, se o profissional está estourado em 40%, por exemplo, mas domina o processo, contribui no treinamento de outras pessoas e se paga, está mais que justificado. 

“O ideal é identificar todos os casos, entender porque as pessoas estão naquela situação, criar oportunidades e políticas para que isso não aconteça com tanta frequência e os profissionais sejam melhor aproveitados considerando o seu salário”, explica João.

Você tem alguma dúvida com relação à Remuneração para o público operacional? Envie sua pergunta nos comentários aqui embaixo! No 70º episódio do ConsultAqui, você também consegue ouvir com mais profundidade algumas explicações. Clique aqui!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carreira Muller

Somos uma consultoria especialista em gestão de remuneração que, há  3 décadas, trabalha para desenvolver pessoas e negócios.

Acompanhe-nos

Confira também outros artigos

Separamos mais algumas leituras relacionadas com a publicação acima para você
se aprofundar ainda mais nos conteúdos de remuneração.

Viva uma experiência inédita no Quinto dia Útil!

Participe dos bastidores do nosso podcast em uma imersão presencial, assistindo à 4 entrevistas em primeira mão, se conectando com outros profissionais da comunidade e com a chance de subir ao palco e fazer perguntas diretamente aos convidados!

Acesso gratuito ao módulo Free da ConsultaSalarial®:

Declaro ter ciência e aceitar as condições para navegar no módulo gratuito oferecido pela Carreira Muller:

1 – Para solicitar o acesso é necessário que sejam enviados os dados requisitados no questionário de coleta. As informações recebidas serão analisadas, por parte da Carreira Muller, e o envio destas não acarretará uma liberação automática do acesso.

2 – O prazo de retorno com a confirmação ou declínio do acesso leva até 2 dias úteis.

3 – A forma de comunicação utilizada pela Carreira Muller para informar tudo o que é necessário se faz pelo endereço de e-mail informado no momento do preenchimento do formulário. Portanto, aceitando este termo você também concorda com o recebimento de nossos e-mails. Caso deseje parar de recebê-los há um mecanismo à disposição em cada e-mail disparado.

4 – Não há custo algum para que as empresas selecionadas usufruam desse módulo Free.

5 – Todo o acesso é configurado com base na Razão Social informada pelo solicitante no questionário de coleta. Portanto, se o solicitante deixar a empresa (CNPJ) base cadastrada, o acesso também é desativado.

6 – O informante dos dados se responsabiliza pela veracidade das informações disponibilizadas e pode, a qualquer momento, requisitar a baixa de seu cadastro com a consequente eliminação de todos os dados por ele informados.

7 – Todo o acesso é feito pela nossa plataforma online (www.carreira.com.br) por meio de um login e senha. O login será gerado com base no e-mail corporativo informado nos dados, considerando o tópico 1, e a senha será configurada, pelo próprio solicitante, no primeiro acesso.

8 – O solicitante declara reconhecer que a Carreira Muller é titular exclusiva dos direitos de propriedade intelectual de todo o conteúdo publicado na plataforma. Está ciente que não poderá modificar, transferir, sublicenciar, vender, ou de qualquer forma, colocar à disposição de terceiros, os materiais supra referidos, nem os serviços prestados pela Carreira Muller, a não ser que haja autorização prévia e formal da Carreira Muller, sob pena de responder pelos danos decorrentes dessa conduta.

9 – Considerando a modalidade de oferta desse serviço, a Carreira se resguarda no direito de modificar ou suspender total ou parcialmente tais serviços a qualquer momento, independentemente de notificação prévia.

Solicite seu Diagnóstico

Preencha os campos abaixo para solicitar seu diagnóstico

Fique tranquilo que seus dados estão seguros conforme nossa política de privacidade, frente a Lei de Proteção de dados.

Solicite uma demonstração

Preencha os campos abaixo para solicitar sua demonstração

Fique tranquilo que seus dados estão seguros conforme nossa política de privacidade, frente a Lei de Proteção de dados.

Fale com um consultor

Será um grande prazer retornar sua solicitação!

Fique tranquilo que seus dados estão seguros conforme nossa política de privacidade, frente a Lei de Proteção de dados.

ConsultaSalarial®

SalaryMark®

Acesse nossas plataformas

Acesse nossa área de cursos

Acesse agora o Astrobee