Turnover: como aplicar os indicadores a favor da sua empresa

Durante o ano de 2021, especialistas conduziram uma pesquisa com empresários brasileiros a fim de entender quais seriam os maiores desafios para a atração de talentos em 2022. Descobriram que, mês a mês, o turnover se consolidava como forte preocupação dentro das organizações: em maio, 16% dos entrevistados notavam indícios de rotatividade em suas operações; em junho, 26% e, em julho, 34%.

Para corroborar, a Gartner ainda apontou, no mesmo ano, que 1 em cada 3 funcionários estava disposto a deixar seu emprego atual caso houvesse exigência do retorno ao trabalho presencial. Hoje, a rotatividade continua sendo um indicador preocupante e ainda vem somada à instabilidade econômica do País e dificuldades enfrentadas para repor alguns cargos no mercado.

Para se ter ideia, a rotatividade sempre aparece em primeiro lugar no estudo de Indicadores de RH idealizado pela ConsultaSalarial®, quando perguntamos às empresas qual é o indicador que elas mais acompanham. Em nossa última edição, tivemos uma média histórica: 86% da amostra colocou a rotatividade no topo da lista, o que evidencia sua importância na vida corporativa.  

Como entendemos que a melhor maneira de lutar contra a alta rotatividade está em compreendê-la, esse foi o tema do 9º episódio do Consulta Aqui. Confira alguns insights a seguir.

Como calcular o índice de turnover?

Um indicador de turnover serve para medir a rotatividade e determinar o índice de substituições dos colaboradores. Por exemplo, se em uma empresa de 100 colaboradores apenas um funcionário saiu e foi substituído, no período de um ano, isso significa que a rotatividade foi de 1% nesse período.  

Saber a maneira correta de calcular o índice de turnover é o primeiro passo para manter a rotatividade dentro da empresa em uma porcentagem saudável. Se os dados não são reais, muito dificilmente o profissional de RH conseguirá trabalhar na raiz do problema ou evitar que os colaboradores deixem a companhia. No entanto, não há consenso sobre a melhor forma de se calcular o turnover.

Fórmula mais difundida

A fórmula mais difundida consiste em medir a quantidade de colaboradores que foram substituídos. É o resultado da soma de admitidos e demitidos, dividido por 2. Ou seja, a média é sempre dividida pela quantidade de colaboradores no final de um determinado período, o que acarreta em alguns problemas e ignora alguns tipos de situações.

Se, por exemplo, houver uma saída no departamento de vendas, seguida de uma contratação no financeiro, o ideal é que não seja contabilizada como uma substituição. Imagine, ainda, que são demitidas 100 pessoas de uma empresa e nenhuma é contratada. Isso não é rotatividade, mas uma diminuição de quadro. 

O mesmo vale para quando se contratam 100 pessoas, mas nenhuma saída é computada. Nesse segundo caso, estamos falando de um aumento do quadro de funcionários. Como a fórmula não inclui essas variáveis, no final tem-se a impressão de que metade dessas contratações foram demissões, o que não é verdade. 

Fórmula oficial

Há também uma outra fórmula oficial utilizada pelo Ministério da Economia e pelo IBGE e que melhor atende essa ideia de não qualificar diminuição ou aumento de quadro como turnover. Vamos usar um exemplo para explicar: se uma empresa demite 5 colaboradores e admite 7, basta considerar o menor número e dividir pelo total de colaboradores. Simples assim.

Vale lembrar que se demissões ocorreram e o cargo não está mais ativo – ou se houve admissões para cargos novos que não existiam antes –, não devemos incluí-las como turnover. Além disso, para comparar o indicador interno com o mercado, é preciso aplicar sempre a mesma fórmula.

Demissões voluntárias versus involuntárias

A fórmula oficial, realizada no momento de fazer o comparativo com o mercado, contempla tanto demissões voluntárias quanto involuntárias. Para estudos internos, o mais recomendado é apresentar os dois valores: o turnover geral e o específico. 

Algumas empresas consideram apenas as demissões voluntárias como turnover, o que não é adequado. É sempre importante lembrar que rotatividade é substituição. Independentemente da maneira como ocorreu essa saída, se houve a recontratação de outro profissional ele deve ser incluído no cálculo de turnover geral. 

A rotatividade específica – ou turnover voluntário – é uma maneira efetiva de analisar quais aspectos podem estar influenciando na saída de colaboradores.

Se você quiser saber mais sobre o assunto e ter acesso a esses indicadores, confira o Consulta Aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carreira Muller

Somos uma consultoria especialista em gestão de remuneração que, há a quase 3 décadas, trabalha para desenvolver pessoas e negócios.

Acompanhe-nos

Confira também outros artigos

Separamos mais algumas leituras relacionadas com a publicação acima para você
se aprofundar ainda mais nos conteúdos de remuneração.

Comece o ano com economia no budget: Fevereiro sem imposto

Durante todo o mês de fevereiro os novos contratos fechados terão os valores de impostos revertidos em descontos, podendo chegar em até 15% dos nossos preços atuais de tabela.

ConsultaSalarial®

SalaryMark®

Acesse nossas plataformas

Acesse nossa área de cursos

Acesse agora o Astrobee