Remuneração variável: por onde começar?

Costumamos falar muito sobre as possibilidades de criação de um programa de remuneração variável dentro das empresas. O tema é bastante amplo e permite muitas discussões conceituais e, justamente por isso, antes mesmo de pensarmos nos números, KPI’s e métricas, é preciso refletir sobre os primeiros passos.

Em um país com economia relativamente inconstante, como o Brasil, não onerar a folha de pagamento com salários é uma importante medida estratégica. Mesmo porque, já sabemos que, quando os salários fixos aumentam, logo o valor é incorporado pelo colaborador e a percepção desse ganho passa rapidamente.

O variável permite que a empresa trabalhe numa condição de ganha-ganha: se os resultados são alcançados, a equipe é recompensada por isso.

Além, é claro, de tornar viável o caminho para o atingimento de metas, selecionamos e comentamos outros dois motivos bem populares no mercado:

  • Valorizar a meritocracia

Essa é uma opção muito comentada, mas, para investir em uma política de variáveis com o intuito de valorizar a meritocracia no time, é preciso tomar uma iniciativa muito importante: deixar as regras do jogo bem claras.

Sem isso, colaboradores podem se desgastar imaginando por que um merece mais dinheiro que o outro, por que a meta do outro é mais fácil ou mais difícil, quem vai medir quem merece o que – e assim por diante.

Quando usamos esse termo dentro da remuneração, precisamos balizar alguns princípios, para evitar qualquer desconforto. O RH precisa esclarecer as regras com bons indicadorese, acima de tudo, pouca subjetividade.

O segredo é não deixar a decisão nas mãos do “eu acho” do gestor. Esse papel é das metas.

  • Distribuir o dinheiro de forma estratégica

 Antes de mais nada, aqui vale uma reflexão: as melhores empresas para se trabalhar são, necessariamente, aquelas que pagam os salários mais altos? Nem sempre!

Outras coisas podem ser trabalhadas além da remuneração mensal e os Incentivos de Curto Prazo fazem parte desse pacote.

O quadro abaixo exemplifica como é possível que o variável “compense”, em alguns casos, os salários frente ao mercado:

Podemos destacar alguns bons exemplos. No caso dos Gerentes, apesar de os salários estarem inferiores aos que é praticado pelo mercado, os Incentivos de Curto Prazo “corrigem” essa diferença. Isso acontece também de forma parecida com os Analistas, Técnicos e Engenheiros.

Ou seja, a política de cargos e salários deve ser repensada em conjunto com a remuneração variável.

Quer saber mais sobre o tema? Publicamos um webinar sobre o tema, com a participação especial do Robinson Carreira, diretor-presidente da Carreira Muller. Assista aqui. 

 

Carreira Muller

Somos uma consultoria especialista em gestão de remuneração que, há a quase 3 décadas, trabalha para desenvolver pessoas e negócios.

Acompanhe-nos

Confira também outros artigos

Separamos mais algumas leituras relacionadas com a publicação acima para você
se aprofundar ainda mais nos conteúdos de remuneração.

Solicite seu Diagnóstico

Preencha os campos abaixo para solicitar seu diagnóstico

Fique tranquilo que seus dados estão seguros conforme nossa política de privacidade, frente a Lei de Proteção de dados.

Solicite uma demonstração

Preencha os campos abaixo para solicitar sua demonstração

Fique tranquilo que seus dados estão seguros conforme nossa política de privacidade, frente a Lei de Proteção de dados.

Fale com um consultor

Será um grande prazer retornar sua solicitação!

Fique tranquilo que seus dados estão seguros conforme nossa política de privacidade, frente a Lei de Proteção de dados.

ConsultaSalarial®

SalaryMark®

Acesse nossas plataformas

Acesse nossa área de cursos

Acesse agora o Astrobee