disc

Análise de perfis pessoais resulta em produtividade

As consequências de uma contratação errada podem ser desastrosas para uma empresa, sobretudo para as funções de gestão ou estratégicas tecnicamente. Por esse motivo, cada vez mais o departamento de Recursos Humanos (RH) é visto dentro das organizações como um setor determinante para o seu desenvolvimento.

O capital humano é tido, hoje, como um diferencial, pois em muitas posições ocorre o apagão de pessoas qualificadas para ocuparem as vagas. Por isso, é importante que as empresas deem ao seu RH as ferramentas necessárias para que o processo de recrutamento e seleção, além da avaliação periódica dos colaboradores, seja realizado de maneira ampla e que consiga indicar em informações bem embasadas se a contratação será ou não assertiva. Afinal, além dos requisitos técnicos, que podem ser comprovados facilmente por meio de testes, é necessário saber se as características de personalidade do candidato estão de acordo com o que é desejado.

Atualmente existem ferramentas eficientes que se utilizam dos conceitos da psicologia para traçar perfis com precisão e rapidez. Um exemplo disso pode ser encontrado na teoria DISC, uma sigla em inglês que define quatro tipos de perfis comportamentais: dominância, influência, estabilidade e conformidade. Essa técnica é aplicada por meio de um questionário. Ao ser respondido pelo candidato à vaga ou colaborador da empresa, indica qual o tipo de reação que ele teria se estivesse trabalhando sob pressão, se prefere trabalhar sozinho ou em grupo, entre outras informações.

Com esses dados em mãos, a empresa tem mais embasamento para decidir se realmente vale à pena realizar uma contratação ou se ainda não chegou ao perfil que deseja. Do mesmo modo, pode avaliar com maior clareza a promoção de um funcionário ou sua realocação para outra área da organização.

Conhecer bem o perfil dos colaboradores é bom para ambas as partes, empregados e empregadores. Para a empresa, quanto mais a vaga se encaixar no perfil da pessoa que executa as funções, maior será o ganho de produtividade. Por outro lado, o colaborador que desenvolve atividades mais condizentes com suas habilidades e personalidade, trabalha mais feliz.

Em breve serão postados outros textos detalhando cada um dos perfis mapeados pela DISC.

Gostou? Compartilhe!