Remuneração além dos números: uma ação estratégica para a sua empresa

Veículos para executivos: entenda os benefícios de conceder ao profissional da sua empresa
22/07/2015
Remuneração acionária dá sentimento de pertencimento e motivação aos colaboradores
04/08/2015

Atualmente, não há dúvidas que a remuneração deve ser uma ferramenta de gestão de pessoas, deixando de ter um papel meramente administrativo e passando a ser estratégica para desenvolvimento e engajamento de profissionais.

No entanto, quando o assunto é remuneração da atual geração, que está muito mais atrelada aos ganhos provenientes de benefícios que vão além do salário, o que é suficiente para atrair e reter um colaborador? Quais estímulos devem ser dados e como utilizá-los de maneira que não atrapalhem a eficiência dos negócios da empresa?

Para auxiliar as empresas a responderem estas e muitas outras questões envolvendo o tema, a Carreira Muller realizou o workshop “Remuneração além dos números”, que aconteceu em Vinhedo e reuniu gestores de RH de muitas empresas da região.

O evento trouxe discussões a respeito da remuneração sob uma perspectiva diferente, abordando a necessidade de se aliar estrategicamente o conhecimento sobre pessoas aos objetivos de rentabilidade da organização. O encontro foi dividido em três eixos que explicaram como a remuneração pode ser utilizada para atrair profissionais cada vez mais insaciáveis na questão da satisfação, além de apresentarem indicadores do mercado nacional e principais práticas e tendências do setor.

E é justamente essa necessidade de alinhamento entre a satisfação do colaborador e expectativa de negócios da empresa que João Carlos Maglio, Coordenador de Remuneração e Benefícios da Elekeiroz, aponta como um dos fatores que pode interferir na implantação de uma estratégia realmente diferenciada. “A forma de remuneração da empresa depende bastante do seu clima interno e dos profissionais que nela atuam. Ou seja, depende do equilíbrio entre o valor que a companhia deposita nisso e a necessidade dos seus funcionários. Vim ao evento justamente porque acredito que é preciso sair do modelo tradicional de benefícios, analisando o momento em que estamos e considerando todas as variáveis. Saio daqui hoje com uma visão diferenciada”, conta o coordenador.

Entre os participantes estava Ricardo Taucci, Consultor de Remuneração para América do Sul da General Motors. O profissional afirma que o tema do evento chamou muito sua atenção porque vai de encontro com a realidade que ele vive em seu dia a dia na empresa. “Vim para entender como aplicar melhor essa ‘remuneração além dos números’, porque na nossa rotina estamos sempre muito focados em números e dados, mas temos que expandir nossa visão, entender qual a realidade e o perfil tanto do profissional que está conosco, para retê-lo, quanto daquele que está no mercado, para atraí-lo”, explica.

 

Choque entre gerações

Para Patrícia Lemes, Gerente de Recursos Humanos da SRBR – Samsung R&D Institute Brazil, um fator não pode ser ignorado quando pensamos em remuneração nos dias de hoje: o encontro entre as gerações X, Y, baby Boomers, que já é realidade nos ambientes de trabalho. “Enquanto os mais jovens possuem bastante conhecimento técnico e um desenvolvimento emocional mais superficial, os que fazem parte da geração X, que é o meu caso, têm mais afinidades nas relações humanas e mais dificuldade em acompanhar os avanços tecnológicos, por exemplo”, analisa.

Para Patrícia, a consequência é um choque entre as diferentes perspectivas profissionais e pessoais desses dois grupos, e as empresas que souberem satisfazer as expectativas de todos de maneira equilibrada sairão na frente. “No debate que tivemos no workshop ficou claro que devemos ultrapassar a ideia de remunerar apenas com salário, é preciso focar em qualidade de vida, benefícios, naquilo que motiva o ser humano”, conclui.

Thalita Henriques afirma que esse encontro de gerações está começando a acontecer na CBC Indústrias Pesadas, onde atua como Analista de Recursos Humanos. E ela veio ao workshop para entender melhor essa mudança de cenário, as formas de aplicação da remuneração variável, bem como para acompanhar as tendências que podem ser implantadas na sua organização. “Nossa empresa ainda é composta majoritariamente por colaboradores com grande tempo de casa, então agora, com a chegada de novos colaboradores, temos consciência de que haverá um impacto e que é preciso se preparar para atender as novas necessidades que surgem com eles”, ressalta a analista, para quem a boa base estrutural que a CBC oferece, aliada ao plano de cargos e salários, será um diferencial para agregar novos talentos.

 

Próximas edições

Neste ano, o workshop de remuneração aconteceu em diversas cidades do Brasil. O próximo será realizado em agosto, em Porto Alegre. Em breve mais informações.

 

Carreira Muller | Construindo Sentidos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Assine a nossa newsletter

X