Quando o RH faz a diferença

O RH administrando pessoas
03/10/2016
Como selecionar as empresas para um painel de pesquisa salarial?
02/11/2016

É recorrente no mundo todo a discussão acerca da relação entre resultados financeiros de grandes corporações e a motivação das equipes dentro delas para que produzam mais e melhor. João Augusto Resch, um de nossos consultores de remuneração aqui na Carreira Muller, recentemente publicou uma monografia*que investiga se as empresas premiadas nas pesquisas realizadas pela Fundação Instituto Administração – FIA (As Melhores Empresas Para Você Trabalhar) e pela GreatPlacetoWork – GPTW (Melhores Empresas para Trabalhar) adquiriram vantagens competitivas e de resultados quando comparadas com uma massa de empresas do mercado.

Foram consideradas as médias de Rentabilidade do Patrimônio Líquido, Margem EBIT acumulada e o ROIC de empresas ranqueadas entre as melhores frente à população geral. Como já era de se imaginar (o próprio autor supôs que assim seria), os resultados das organizações listadas como sendo as melhores para se trabalhar foram consistentes e significativamente superiores aos da média geral da população analisada, o que acaba reforçando que fatores motivacionais podem produzir aumento na produtividade, trazendo a desejada vantagem competitiva.

Eis o momento em que o RH pode começar a fazer a diferença.

De forma geral, conseguir uma posição de destaque entre as eleitas como sendo as melhores para se trabalhar exige alguns esforços e, sem sombra de dúvidas, esses esforços se associam com o levar as pessoas para o lugar em que a organização como um todo quer ir; o lugar onde os acionistas querem ir.

Os RHs que entendem a estratégia da empresa, que captam sua essência e seguem nessa mesma direção, compartilhando a mesma visão em qualquer subsistema da área, contratando, remunerando, treinando, avaliando, etc., esses contribuem diretamente para transformar os resultados financeiros de uma organização. Eis aqui um caminho interessante para se transformar as ações do RH em números (saindo do campo da subjetividade). No entanto, para que isso se torne real em sua empresa, são necessárias boas doses de curiosidade, talento, inovação e competência.

*Baixe a monografia por aqui.

 

Carreira Muller | Construindo Sentidos

1 Comentário

  1. Julio disse:

    Quando o RH contribui com o faturamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Assine a nossa newsletter

X