estudos

Quais são as principais práticas de programas de estágio no Brasil?

Atualmente, os programas de estágio estão sendo considerados estratégicos para muitas empresas. Os processos seletivos, porta de entrada para jovens profissionais nas companhias, que antes eram restritos a entrevistas e análises de currículos mais pontuais, hoje são mais rigorosos e muitas vezes contam com cronograma de atividades tão intensos quanto os de trainees. E essa mesma dinâmica persiste depois que o profissional já foi incorporado à empresa, tudo com o intuito de fazê-lo absorver mais facilmente a sua cultura e aumentar a possibilidade de desenvolver e reter um talento.

No Brasil, os números são animadores. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (Inep), Ministério da Educação (MEC) e da Associação Brasileira de Estágios (Abres) apontam que há no Brasil mais de 8 milhões de alunos cursando o ensino médio técnico e ensino superior. Esses jovens, em pouco tempo ingressarão no mercado e estarão lado a lado dos cerca de 1 milhão de estagiários que hoje existem em todo o país.

Está claro, portanto, a representatividade mercadológica que em breve terá essa massa de profissionais iniciando suas carreiras por aqui. Para auxiliar as empresas a se prepararem para absorver esses jovens, orientando sobre os principais valores e práticas de programas de estágio, anualmente a Carreira Muller desenvolve o Estudo Bolsa Estágio.

O conteúdo deste ano, que teve como base mais de 18.000 estagiários de cerca de 1.000 organizações multinacionais e nacionais que hoje operam em todo território brasileiro, acaba de ser concluído e traz dados bastante significativos.

As empresas que se interessarem podem adquirir o estudo completo por aqui.

Carreira Muller | Construindo Sentidos