Estudo reúne práticas de mercado na estruturação de Conselho Administrativo de Empresas Familiares

Novas metodologias auxiliam na retenção do conhecimento
30/03/2016
Por que implantar a Remuneração Estratégica na sua empresa?
13/04/2016

“Se você quiser sobreviver em uma empresa familiar, você precisa organizar a família”. A fala é de John Davis, considerado uma das maiores autoridades em gestão de empresas familiares – constituída por três principais pilares – família, acionistas e gestão-, a empresa familiar tem uma dinâmica única de interação de cada um desses pilares, onde o que acontecer com um dos grupos afeta diretamente o outro.

Uma das mais efetivas formas de organizar esse tipo de companhia é por meio da formação de um Conselho de Administração, na medida em que ele terá um papel fundamental na melhoria da qualidade da gestão, por ser um instrumento de alinhamento dos anseios dos 3 pilares acima citados, de mostrar transparência e responsabilidade ao mercado, bem como que a companhia está preocupada com as boas práticas de governança corporativa.

Para auxiliar as organizações a entender como são as práticas e aspectos pertinentes à governança corporativa nos Conselhos de Administração de empresas familiares, a Carreira Muller está divulgando um estudo que contou com 23 empresas nacionais de pequeno, médio e grande porte, sendo 55% delas de capital aberto e 45% fechado.

Os 158 membros de conselhos que participaram concederam informações a respeito da expertise e qualificações de seus conselheiros, a estrutura de seus conselhos, remuneração mensal desses profissionais.

Confira alguns insights do estudo:

Se sua empresa pretende ter um conselho ou já têm um e precisa reavaliar as práticas e valores atuais, solicite aqui o estudo.

Benefícios

  • Auxílio para que lideranças da empresa atinjam perspectivas estratégicas
  • Identificação de mudanças necessárias e oportunidades e serem seguidas
  • Melhoria na qualidade da gestão – fortalecimento da disciplina familiar
  • Facilita processos de Sucessão Familiar: orienta sobre quando iniciá-lo e quanto tempo deve durar, definindo o papel do proprietário, do conselho, do CEO que está se afastando e dos gestores; ele também seleciona, prepara e avalia o novo CEO ou Diretor Presidente e os demais cargos a serem ocupados pelos familiares

Qualificações

  • Conhecer os negócios da empresa e, mais do que isso, estar alinhado com eles
  • Noções de planejamento estratégico, finanças, riscos, gestão de pessoas, tecnologia e sustentabilidade
  • Conhecerem melhores práticas de governança e de legislação societária

Estruturação

Ideal que tenha até 09 membros e seja subdividido em:

  • Presidente do Conselho- Em 25 % dos casos ele é também o CEO/Presidente da Empresa
  • Conselheiros Internos
  • Conselheiros Externos não independentes
  • Conselheiros Independentes.

Mandato

Em cerca de 65% das empresas, o prazo de mandato é de 24 meses; nas outras 35%, são 12 meses.

Avaliação

  • Individual, por meio de questionários ou entrevistas individuais, ou auto-avaliação.
  • Resultados são confidenciais e devem ser usados como base para ações de melhorias de funcionamento do próprio conselho, além de ser um indicativo para reeleição do profissional.

Remuneração Mensal

Estudos sobre o tema sugerem que como referência pode-se utilizar para definir a remuneração dos conselheiros a mesma base do valor da hora de trabalho do CEO / Presidente da empresa.

No estudo realizado pela Carreira Muller nos baseamos na remuneração mensal efetivamente praticada pelo mercado dividido pelo número de reuniões mensais. Em 67% das empresas participantes, as reuniões do conselho ocorrem mensalmente (01 por mês).

 

Clique e saiba mais.

 

Carreira Muller | Construindo Sentidos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Assine a nossa newsletter

X