Eu preciso pagar a mediana de mercado?

Como a remuneração pode ajudar a fortalecer a gestão
28/03/2018
O que considerar ao aplicar avaliações de desempenho
20/04/2018

Quando pensamos em salários e estruturas de remuneração, é comum ouvir falar em medianas de mercado – ou seja, aquele índice de valores praticados para determinados cargos. Mas será que esse indicador é o que deve determinar quanto se paga de salário numa empresa? Será que, no seu caso, você deve aplicar a mediana de mercado para toda a organização?

A resposta é: depende.

Calibrar sua tática de acordo com a mediana de mercado é importante para manter sua gestão atualizada, mas não significa que você não possa ajustar esse indicador de acordo com os objetivos do seu negócio.

Por exemplo, ao identificar que a mediana de mercado para determinado cargo é R$ 3.800, uma empresa pode aplicar um salário 10%, 20%, 30% abaixo desse indicador, pagando o restante com variáveis.

Em outros contextos, há a possibilidade de se remunerar acima da mediana, é o caso, por exemplo, de empresas mais antigas, empresas com turnover baixo, que precisam acirrar a competitividade de mão de obra ou contrabalancear a falta de uma marca empregadora forte.

Para responder os questionamentos que trouxemos logo no início do texto, vale considerar que o ajuste fino dos salários base pode ser feito em conjunto com os ICPs (PLR e bônus) e critérios intangíveis, como marca, regionalidade, entre outros, podem influenciar para mais ou para menos o valor escolhido como ideal para a empresa, no 100% da faixa.

Percebe como a estratégia pode mudar caso a caso? Tudo isso comprova que o segredo não é seguir as tendências de mercado, mas conhecê-las!

Só assim, é possível estabelecer parâmetros de posicionamento do seu negócio diante da concorrência, determinando se a política de remuneração vai ser mais ou menos agressiva dentro da região e do segmento.

Receba nossos materiais e publicações

1 Comentário

  1. Dórian L. Bachmann disse:

    Usar a mediana como referência, ao invés da média, já é um progresso na gestão de pessoas. O incentivo à análise da situação da empresa, evitando o uso de regras gerais é algo que realmente temos que incentivar. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Assine a nossa newsletter

X