Employer branding engaja o público interno e atrai novos talentos

Participação acionária é atrativo para executivos
30/07/2014
Curso da Carreira Muller é destaque em portal de Santa Catarina
11/08/2014

Encontrar uma agulha num palheiro. Esse ditado pode representar o sentimento de muitos recrutadores durante o andamento de um processo seletivo para preencher determinada vaga-chave na empresa. Encontrar o candidato ideal pode ser um desafio para muitas organizações e a tarefa fica ainda mais difícil se os requisitos para o cargo forem muito exigentes. Por este motivo, muitas delas têm adotado a estratégia do employer branding, ou marca empregadora, para construir, perante o mercado, uma imagem de empresa onde todos querem trabalhar. Leia o restante da matéria e entenda como o Plano de Cargos e Salários pode te ajudar. 

O conceito pode ser definido como um conjunto de iniciativas de uma empresa com o objetivo de criar sua marca como uma boa empregadora. As ações são direcionadas para fortalecer o engajamento dos colaboradores e isso se estende até o contato com os candidatos nos processos de seleção, por isso o setor de Recursos Humanos tem papel fundamental.

A marca é muito importante para os profissionais do Brasil e do mundo no momento de avaliar uma nova oportunidade de emprego. Uma pesquisa realizada pelo LinkedIn, rede social voltada ao contato profissional, revelou que para 61% das pessoas que procuram emprego, este é o fator que mais influencia na decisão. Se a empresa é vista como uma boa empregadora no mercado, os profissionais mais qualificados tendem a querer fazer parte da equipe. Afinal, se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé.  Portanto, o employer branding é uma ferramenta de captação e retenção de talentos.

“A marca é uma representação simbólica de algo em um mundo onde o trabalho na sociedade pós-industrial se tornou um meio de representação do ser humano. Ou seja, você não trabalha mais em busca de sustento, mas de uma realização enquanto pessoa através de uma marca com a qual se identifique. Nesse cenário, o dinheiro se tornou apenas um mero detalhe”, explica o gestor de marcas da Carreira Muller, Emerson Costa.

Ser uma marca empregadora também não tem relação nenhuma com pagar os melhores salários, ou oferecer os melhores benefícios, no entanto trata-se de utilizar do poder do branding para atrair os melhores e engajar mais facilmente.

A essência do employer branding está na capacidade de oferecer experiências entre marca e colaboradores assim como em uma prática de consumo de bens/serviços que qualquer pessoa já está habituada no dia a dia. O que antes tinha grande poder para influenciar uma venda agora passa a beneficiar também a atração de profissionais, tornando-se o branding uma via de duas mãos na estratégia das companhias.

A influência do plano de cargos e salários na construção da marca do empregador

Ainda de acordo com a pesquisa realizada pelo LinkedIn, remuneração e benefícios melhores e oportunidades de avanço profissional são os principais fatores de motivação entre aqueles que querem mudar de emprego. Essa tendência foi observada tanto entre os que estão buscando ativamente por uma nova colocação quanto entre os que apenas estão dispostos a analisar as propostas que surgirem.

Por esse motivo, valorizar esses dois fatores é essencial para a construção de uma marca empregadora forte no mercado. Dar atenção especial à política de cargos e salários é essencial para atender às expectativas dos profissionais contemporâneos e, assim, atrair e reter os melhores.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Assine a nossa newsletter

X