Ayrton Senna, Silvio Santos, Jimmy Carter ou Bill Gates, qual deles você contrataria?

Por que devo ter um plano de cargos e salários se já faço pesquisas salariais?
11/01/2017
Jimmy Carter ou Bill Gates, qual o ideal para a vaga da sua empresa?
25/01/2017

Em nosso dia a dia no trabalho, somos constantemente influenciados por pessoas e situações, oscilando emocionalmente de diversas maneiras. Alguns podem nos inibir, outros nos motivam, outros incomodam. Isso acontece porque nossas reações às pessoas se baseiam em um conjunto de pré-disposições comportamentais que se tornaram parte fundamental de quem somos, e que podem ser interpretadas pela análise de perfis pessoais.

Para o profissional de RH, isso é um prato cheio! Essas características podem auxiliá-los a conhecer perfis e buscar aquele mais adequado para uma vaga. Como já mencionamos em alguns textos, essa análise de perfil pessoal é baseada na metodologia DISC (sigla em inglês para Dominância, Influência, Estabilidade e Conformidade), permitindo uma compreensão sobre as atitudes e motivações de cada pessoa. Para facilitar o entendimento de cada perfil, vamos exemplificar o que as características demonstram sobre personalidades conhecidas nacional e mundialmente, através de frases ditas por cada uma delas. Neste post você conhecerá mais sobre os perfis Alto D e I. Na próxima semana, você confere como se comportam os profissionais Alto S e C.

Alto D – Ayrton Senna

O Ayrton Senna, tricampeão mundial na Fórmula 1, pode ser considerado como um Alto D. Veja algumas de suas declarações:

 “Vencer é o que importa. O resto é a consequência”

Esta frase expõe uma forma de pensar e agir típica de pessoas com alta dominância. Indivíduos com este fator predominante são completamente orientados a resultados, não medem esforços para alcançá-los e tendem a organizar suas agendas em torno da necessidade de preparar-se para os desafios que virão. A abdicação da vida social, do lazer ou de quaisquer tipos de prazer, pode ser algo fácil para um alto D, contanto que sejam entendidos como um pré-requisito para a vitória almejada. “O resto é consequência” pode se tornar um lema para um alto D que encontre a sua profissão em uma atividade altamente competitiva, tal qual o automobilismo.

“Não sei dirigir de outra maneira que não seja arriscada. Quando tiver de ultrapassar vou ultrapassar mesmo. Cada piloto tem o seu limite. O meu é um pouco acima do dos outros”

Quanto maior o risco, maior a emoção da vitória. O fato é que indivíduos com alta dominância não se satisfazem com o que é fácil e sem variáveis estimulantes que imponham riscos consideráveis. Situações rotineiras ou cujos desfechos e consequências são previsíveis não fornecem a carga de adrenalina e emoção necessárias para despertar a motivação ou até o interesse de uma pessoa com este perfil. Na vida rotineira, estas pessoas conseguem lidar com a falta de meios para satisfazer suas necessidades por adrenalina, desafios e riscos. Mas precisam encontrar, mesmo que esporadicamente, mecanismos de escape para a monotonia.

“Meu maior erro? Acho que ainda está para acontecer”

Indivíduos com alta dominância frequentemente apresentam uma clara tendência à alta autoestima e, ao mesmo tempo, medo excessivo do fracasso. Esta frase pode ser interpretada pelos dois lados. O intuito poderia ser a exibição de sua carreira invejável, com poucos erros a serem apontados, ou a revelação do grande medo de um futuro erro. Independente da intenção real de Senna, nesta frase há um grande indicativo do temperamento dominante do ídolo nacional.

“Para ser honesto, não me sinto o maior ídolo brasileiro. Não me sinto uma pessoa tão importante assim para merecer uma festa durante uma noite toda no Brasil”

Esta frase, dita após a conquista do tricampeonato mundial, evidencia uma das características mais notáveis de indivíduos com alta dominância, a tendência de considerarem suas vitórias, após tê-las conquistadas, apenas pouco mais que uma obrigação. Eles dificilmente se sentem surpresos com suas vitórias, pois tendem a buscar exaustivamente a preparação prévia, de modo que, ao se depararem com o desafio, estão certos de sua condição para superá-lo de forma mais satisfatória que seus concorrentes. O fracasso, por outro lado, pode levar um alto D à ruína emocional.

Alto I – Silvio Santos

Silvio Santos, que se revela como um Alto I, começou sua vida profissional como camelô e construiu uma série de negócios muito bem-sucedidos. Veja abaixo algumas frases ditas por ele:

“Quem quer dinheiro?”

Esta frase pode parecer irrelevante, mas não é. Pessoas com alta influência buscam falar aquilo que as demais pessoas querem ouvir, objetivando criar empatia e atrair a atenção alheia, mesmo que para isso precisem fazer ofertas ou promessas que não sejam tão interessantes para si mesmas, a princípio. Ao identificar determinadas formas de atrair e influenciar pessoas, por meio de falas ou atitudes, é provável que o alto I passe a usar tais recursos em diversos ambientes e situações.

“Quero o topo, faço qualquer coisa para chegar lá. Até dançar rumba vestido de havaiana, se for preciso”

Assim como a dominância, a influência também é marcada pela ambição, contudo, os objetivos almejados por cada fator, bem como meios para alcançá-los, são bastante diferentes. Indivíduos caracterizados pela alta influência são orientados a pessoas, e quando surgem demandas pelo alcance de objetivos, eles tendem a buscar em seus relacionamentos as soluções necessárias. A frase acima apresenta como este modo de pensar e agir esteve presente na estratégia que Silvio Santos usou para alcançar seus objetivos. A pré-disposição a se expor, bem como a natureza cômica da frase, evidenciam duas particularidades típicas de altos I, que utilizam destes e de outros recursos para convencer, atrair e influenciar pessoas, com objetivo de recrutar aliados.

“Como camelô, eu já era um empresário. Mantinha três funcionários. Um ficava olhando quando vinha o rapa. O outro cuidava do estoque de canetas e o terceiro funcionava como farol. Ele chegava de 15 em 15 minutos e dizia: ‘Gostei da caneta, me dá uma’, chamando a atenção dos clientes”

Um alto I é totalmente voltado para pessoas. É provável que, ao lembrar de algum fato marcante, seja capaz de citar todos os envolvidos, bem como a participação de cada um para o desfecho. Também é provável que ao participar de algum evento importante esteja mais atento às pessoas envolvidas do que ao evento em si. Nesta frase, é evidenciada a importância dada às pessoas envolvidas, pois não trata apenas da estratégia aplicada para atrair clientes ou de como eram administrados os estoques, mas sim das pessoas que operacionalizavam estas atividades. Indivíduos alto I tendem a dar valor às pessoas e promover os pontos positivos destas, aproximando grupos, criando equipes fortes e as direcionando a objetivos.

É importante ressaltar que nenhum indivíduo apresenta apenas um dos fatores, tampouco é possível afirmar que o perfil de uma pessoa permanece constante em diversos ambientes e situações.

E você, já parou pra pensar como está o seu perfil atualmente? E como está o perfil dos profissionais de sua empresa? Quem sabe essa ferramenta não se torna mais uma aliada para facilitar o seu dia a dia.

Clique aqui e conheça também as características de Jimmy Carter e Bill Gates que fazem deles representantes de Alto S e Alto C.

 

Receba nossos materiais e publicações

 

Carreira Muller | Construindo Sentidos

1 Comentário

  1. abercrombie discount code disse:

    Hello.This post was really motivating, especially because I was searching for thoughts on this topic last Tuesday.
    abercrombie discount code http://www.abercrombie-coupon.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Assine a nossa newsletter

X